Este espaço foi criado com o fim de servir de motivação àqueles que, como eu, se utilizaram de relatos e informações de outros viajantes para alimentar seus sonhos e torná-los realidade.
Gosto de roteiros alternativos com o máximo possível de estradas não pavimentadas. Adoro acampar e curtir a natureza, por isso costumo dormir preferencialmente em barraca, até porque, também, é bem mais econômico.
Resumo da ópera: meu negócio é indiada mesmo.

domingo, 19 de janeiro de 2014

E a Vaca foi pro brejo

Boa tarde meu povo,
Volto hoje aqui para dar un desfecho nessa aventura que acabou por causa de uma vaca louca.
Bom, depois de ser atendido em Chos Malal, no hospital local, fui informado pelo meu amigo Jordan Wallauer, que tinha feito contato com alguns amigos que são proprietários de uma pousada em Chos Malal e eles entrariam em contato para me ajudar no que fosse possível. No mesmo dia, chegaram ao hospital a Fity e Romi, esposas de Beto e meu tocaio Francisco, que estavam viajando a trabalho, oferecendo-se para o que fosse preciso. Como ainda dependia de alguns tramites para sair do hospital a única coisa que pedi foi que me ajudassem a conseguir comprar um par de muletas. De pronto elas sairam e providenciaram a compra das mesmas. No dia seguinte, como a burocracia com a polícia ia ser um pouco demorada, resolvi sair do hospital e ir para a pousada deles, Hosteria La Farfala, onde fiquei hospedado pelos próximos 3 dias até resolver toda a papelada legal.
Foi uma estada muito agradável e cheia de amigos novos. Muito obrigado a família de Beto e Fity, Francisco e Romi, por tudo que fizeram por mim e um grande abraço ao meu também, muito legal, novo amigo Gari.
Portanto, fica super recomendada a hosteria com ambiente super familiar, para os viajantes que passarem por Chos Malal e região.
http://www.farfalla.com.ar/
https://www.facebook.com/farfalla.com.ar




Depois de resolver a parte burocrática com a polícia argentina, muito facilitada pelo oficial e agora também Amigo Daniel Sura, da polícia local, voltei para Porto Alegre de avião.
Em Porto Alegre fui logo ao médico, onde se constatou que precisaria de cirurgia na perna e o punho ainda ficaria mais 15 dias em observação para avaliar o desenvolvimento do osso. Dia 14/11fiz a osteoplastia com colocação de uma placa de aço na fíbula. Mais adiante, foi confirmado que também precisaria de cirurgia no punho mas nada de urgente então resolvi que tentaria aguentar até o inverno.
Quanto à moto, o amigo e policial Daniel Sura, se prontificou em levá-la de Barrancas para Chos Malal e guardá-la em sua casa, pois a mesma estava andando sem problemas e só com algumas partes quebradas sem afetar a condução.
Dia 27 de Dezembro, ainda no final da recuperação me mandei para a Argentina para buscar a moto. Tinha que trazê-la antes do dia 14, quando venceria o visto, e não queria deixar para a última hora, pois vai que aparece outra vaca no caminho e me atrapalha a vida ainda mais. hehehehe
Fui de Porto Alegre para Buenos Aires, pernoitei um dia na cidade e aproveitei para conhecer a famosa feira de antiguidades do bairro San Telmo, que estrategicamente ficava em frente ao meu hotel. Já no dia 29/12, peguei o voo para Neuquen e de lá um ônibus para Chos Malal.
Hotel em B.Aires - charmoso mas muito caído. Valeu pela localização e o preço muito baixo.



Quando cheguei em Chos Malal, o Daniel já tinha deixado a moto na Hosteria La Farfala me esperando. Tirei o dia para descansar um pouco pois meu pé ainda estava muito dolorido e inchado. Quando sai de Porto Alegre, viajei com a bota de imobilização, mas como um bom teimoso, em Buenos Aires, andei pela tal feirinha e imediações do bairro sem a mesma. No fim das contas acho que foi uma teimosia que veio para bem. Como a fratura já estava quase 100% consolidada, o que me limitava mais a essa altura era o endurecimento da articulação e encurtamento e enfraquecimento total dos músculos. Andar, apesar de causar inchaço, fez a recuperação se acelerar. Cada dia pela manhã eu me sentia melhor. Claro que ao longo do dia a coisa ficava feia pois o pé inchava bastante  e começava a doer.
Sai de Chos Malal dia 31 pelo meio da tarde pois havia falta de combustível devido a uma greve. 15hs peguei a estrada em direção a Neuquen, 450km adiante. Cheguei no final do dia, umas 20:30, mas ainda dia. Parei numa cidadesinha pouco antes de Neuquen(General Acha), num hotel bem novinha na beira da estrada, com ótimo ar e banho maravilhoso.

 Jantei no próprio hotel e passei minha noite de reveillon na cama com o pé bola para cima. hehehe. Dia 01/01, meu aniversário, segui viagem até Santa Rosa, num calor infernal durante o dia e estradas muito vazias. Em Santa Rosa me hospedei no hotel Casa Blanca, também com ar e banho bom e a noite, só para não deixar passar em branco o aniversário, fui a um bar tomar umas caipiróskas.
Dia 2/01, acordei 10h e fui achar uma loja de peças para comprar um pisca-pisca para a moto pois o meu estava estraçalhado e viajava sem. Resolvido o problema, meio na base do improviso, segui viajem para Rosário onde acompanharia a largada do rally DAKAR.
Foi um dia de viagem infernal, muuuito calor e quase 700km com o pé explodindo dentro da bota e de quebra a mão doendo bastante. Chegando a Rosário, perdido total e sem GPS, sai rodando a procura do local do evento ou de um hotel.
Por sorte e facilidade de se andar na cidade, com todas as ruas retas e planas, logo cheguei a um bom hotel e com preço bom também. Fui direto pro banho, desci para comer algo num bar ao lado do hotel e voltei para a cama para por o pé para o alto.
Pela manhã, fui atraz do local do evento e de cara me admirei com a cidade. Muito bonita e fácil de rodar.
Bom, descrever o evento DAKAR, acho que é chover no molhado, só tenho a dizer que é sensacional acompanhar aquele movimento todo de veículos espetaculares e vê-los de perto ao vivo. Para quem curte essa corrida fantástica é realmente um sonho. Mais fantástico ainda é perceber depois, pelas transmissões de TV, que eles estavam passando por muitos lugares, estradas e caminhos por onde eu tinha passado nesta viagem. Realmente fantástico.
Buenas, de Rosário toquei direto a Santana do Livramento onde pernoitei e para grande surpresa minha encontrei, no dia seguinte, pela manhã, na aduana do Uruguai, o super casal de amigos Sandra e Hanno de Rio do Sul, que voltavam de um rolezinho pela Patagônia e Ushuaya.

 ...E assim se encerra a novela da vaca loka...

Tô dentrooooo....




Um Brasileiro. Não sei o nome.










Cyril Despres 1°ano passado, seria o 4° em 2014.










Nem só de rodas, motores e gasolina vive o homem

















Moto de Ciryl Despres, França. Campeão de 2013 e 4° neste ano de 2014















Piloto Brasileiro





Nasser Al-Attiyah(Principe do Catar) Campeão de 2013, 3° este ano de 2014

Carro Do Brasileiro - Quebrou antes do fim



Olivier Pain, França - 3° Colocado

Chaleco Lopes, Chile - Acabou abandonando o rali devido a um acidente q destruiu sua moto.



Marc Coma, que viria a ser o campeão deste Dakar de 2014.


Saindo de Chos Malal e retomando a RN40

Chos Malal



Chos Malal




Cadê a Vaca?

Tempestade de vento e areia próximo a Zapala


Retas intermináveis








Pampa Gaúcho. Estou em casa.

Hanno e Sandra. Encontro surpresa em Rivera, UR

Nenhum comentário:

Postar um comentário